FAQ – Perguntas Frequentes

O que um cirurgião de cabeça e pescoço trata?
O cirurgião de cabeça e pescoço trata das doenças benignas e malignas da boca, laringe, faringe, tireoide e glândulas salivares, de caroços no pescoço e pele da face e do pescoço.

Quais são os principais tipos de câncer nas regiões da cabeça e do pescoço?
O carcinoma epidermoide é o principal tipo de câncer de boca, faringe e laringe, enquanto o carcinoma papilífero é o tipo de câncer de tireoide mais comum.

Esse câncer acontece mais em homem ou mulher?
O câncer mais freqüente nas regiões da cabeça e pescoço nas mulheres é o câncer de tireoide e, nos homens, o câncer de boca, laringe e faringe.

Existe algum tipo de prevenção para câncer de cabeça e pescoço?
O combate ao uso de cigarros e bebidas alcóolicas é a principal forma de prevenção do câncer de cabeça e pescoço, pois são os fatores de risco mais importantes no surgimento da doença. A associação dos dois hábitos (fumar e beber) multiplica a chance do surgimento desse câncer.

Nunca fumei e fui diagnosticado com câncer de boca. Por que?
A maioria das pessoas que desenvolvem câncer na boca são aquelas que fumam ou abusam do álcool, porém, há casos, em menor proporção, de pessoas que nunca fumaram ou nunca beberam e que podem desenvolver a doença. Estudos apontam para outros fatores de risco nessa população, como a falta de higiene oral, próteses dentárias e a infecção oral pelo papilomavírus (HPV).

É verdade que sexo oral pode causar câncer na boca?
Sim, é verdade. Estudos recentes demonstram que a infecção oral pelo papilomavírus (HPV) é um fator de desenvolvimento do câncer de faringe e também de boca. Uma das formas de contágio por essa infecção é por meio da prática do sexo oral e em pessoas com múltiplos parceiros sexuais.

Qual a chance de cura do câncer de cabeça e pescoço?
Quanto mais rapidamente for diagnosticado, maior a chance de cura. Os tumores pequenos e localizados apresentam taxa de cura superior a 90%, enquanto os de grandes dimensões ou com linfonodos comprometidos (raízes do tumor primário) podem levar à morte pela doença.

Há predisposição genética para o desenvolvimento do câncer de cabeça e pescoço? Nesse caso, é possível evitar a doença?
Os estudos mais recentes apontam para alguma influência genética no desenvolvimento do câncer de cabeça e pescoço, porém, o hábito de fumar e beber são ainda os principais fatores de risco para a doença e devem ser firmemente combatidos.

Um caroço no pescoço pode ser câncer?
Todo nódulo persistente no pescoço pode ser câncer. Em geral, há suspeita de câncer quando os nódulos não desaparecem espontaneamente em até 21 dias, quando são endurecidos e crescem lenta e progressivamente.

Nesse caso, qual profissional médico é o mais recomendável a ser procurado?
A primeira avaliação de um nódulo cervical pode ser realizada pelo médico clínico que habitualmente acompanha o paciente. É ele que irá ponderar sobre a necessidade do paciente procurar um cirurgião de cabeça e pescoço.

Qual exame tenho que fazer para obter o diagnóstico?
O diagnóstico de câncer começa com o exame clínico do pescoço pelo médico clínico e pelo cirurgião de cabeça e pescoço. Para cada caso, podem ser necessários exames complementares, como a ultrassonografia, a punção biópsia aspirativa ou a tomografia computadorizada, por exemplo.

O que causa o câncer de tireoide?
A maior parte dos cânceres de tireoide tem uma origem desconhecida. Entretanto já se sabe que a inflamação crônica da glândula (tireoidite), que pode ser causada pela ingestão excessiva de iodo, a exposição à radiação e histórico familiar de câncer de tireoide são fatores de risco conhecidos e bem estudados.

O câncer de tireoide é muito grave? O tratamento é urgente ou posso esperar algum tempo para tratar?
O câncer de tireoide é uma doença maligna como qualquer outro tipo de câncer, todavia, a chance de cura, na maioria dos casos, é muito mais alta (superior a 95%). O tratamento deve ser instituído o quanto antes, ou seja, assim que houver o seu diagnóstico ou a sua suspeita.

Vou perder a voz após a cirurgia de retirada da tireoide?
Não. A cirurgia de retirada da tireoide (tireoidectomia), quando realizada por um especialista, ou seja, o cirurgião de cabeça e pescoço, é um procedimento seguro e que apresenta baixas taxas de complicações. Devido à manipulação dos nervos responsáveis pela movimentação das cordas vocais, existe a possibilidade de algum tipo de mudança na voz, mas essa chance é bastante baixa, menor que 1%.

É verdade que vou ter que tomar cálcio após a cirurgia?
Não necessariamente. As glândulas responsáveis pela manutenção dos níveis normais de cálcio no sangue (as paratireoides) são preservadas durante a cirurgia de retirada da tireoide. No entanto, devido à manipulação cirúrgica, alguns pacientes podem necessitar de suplementação de cálcio por um período variável de tempo após a cirurgia.

Existe outra opção de tratamento além do cirúrgico?
Não. A principal arma no tratamento do câncer de tireoide é a retirada da glândula (tireoidectomia). E é um tratamento seguro e bastante efetivo.

O tratamento com iodo radioativo é obrigatório após a cirurgia?
Não. A necessidade de iodo radioativo no tratamento do câncer de tireoide é de indicação restrita e individual. A orientação será dada, caso a caso, após o resultado final da biópsia da cirurgia.

Como fica a cicatriz? Tem como tratar sem deixar cicatriz?
A cicatriz, apesar de ser em uma região muito exposta do pescoço, em geral, apresenta um bom resultado estético, pois todo cirurgião de cabeça e pescoço está habituado a realizar esta cirurgia rotineiramente. Na maioria das vezes, os cuidados com a cicatriz são bastante simples, como a proteção dos raios solares. Algumas pessoas, no entanto, têm tendência a ter uma cicatrização ruim (queloide).

Depois da operação, tomando os hormônios, minha vida será igual a que tenho atualmente com minha tireoide?
Sim. Com a retirada de toda a tireoide, há a necessidade de se tomar o hormônio tireoidiano diariamente. Ao contrário do que popularmente se acredita, a cirurgia não leva a pessoa a engordar ou a ter alterações no seu dia a dia, pois o uso da medicação e o controle hormonal periódicos previnem essas alterações.

A doença pode voltar? Por quanto tempo terei que marcar consultas de retorno?
O câncer de tireoide, por ser uma doença maligna, pode voltar ao longo do acompanhamento, apesar de esta ser condição que acontece na menor parte dos pacientes. Por esse motivo, é importante o acompanhamento periódico por muitos anos.

Vou conseguir comer e falar depois da cirurgia?
O tratamento do câncer de boca envolve a retirada do tumor e dos linfonodos cervicais. Toda cirurgia na boca pode levar a alterações da fala e a dificuldades para comer, contudo, essa chance é menor quando o tumor é diagnosticado e tratado rapidamente. São poucos os pacientes que não voltam a se alimentar ou a falar após o tratamento.
Vou ter que usar traqueostomia e sonda de alimentação por quanto tempo?
O uso da traqueostomia ou da sonda de alimentação são necessários em alguns pacientes como parte do tratamento. Em geral, o seu uso é temporário, mas o tempo que devem ficar com o paciente depende de cada caso.

É possível tratar sem fazer a cirurgia?
A cirurgia é ainda a principal forma de tratar o câncer de boca. O tumor deve ser retirado e também os linfonodos do pescoço. Alguns pacientes podem ainda necessitar de radioterapia ou até quimioterapia após a cirurgia, mas essas modalidades, em geral, não são a primeira escolha de tratamento.

Uma ferida na boca pode ser câncer?
Sim. Toda lesão na boca que não cicatriza espontaneamente em até 21 dias, em especial naquelas pessoas que fumam e abusam do álcool, deve ser avaliada pelo médico do paciente que, se necessário, deverá procurar um cirurgião de cabeça e pescoço.

Refluxo gastroesofágico pode causar câncer de laringe?
Sim. O refluxo gastroesofágico é um fator de risco para o câncer de laringe, todavia, o hábito de fumar ou o abuso do álcool são ainda os principais fatores de risco para a doença.

Sempre tem que fazer cirurgia no caso do câncer de laringe?
Não. Apesar de a cirurgia ter um papel fundamental no tratamento do câncer de laringe, a radioterapia ou a associação com quimioterapia, em alguns casos, pode ser o tratamento de escolha para alguns pacientes.

O paciente diagnosticado com câncer de laringe terá que usar traqueostomia para sempre?
Não necessariamente. Quanto mais precoce o tumor de laringe for diagnosticado, maior a chance de cura e menor a chance de traqueostomia. A traqueostomia definitiva acontece na minoria dos pacientes com câncer de laringe.
É verdade que quem retira a laringe, nunca mais volta a falar?
Isso não é verdade. Mesmo com a retirada total da laringe, há a possibilidade de a pessoa voltar a falar. Existem muitas maneiras de se voltar a falar, com o uso de próteses ou o desenvolvimento de uma outra forma de voz. O fonoaudiólogo é quem irá auxiliar na reabilitação desse paciente.

Depois que fiz a cirurgia, não sinto mais cheiro. Meu olfato vai voltar?
Muitos pacientes podem ter dificuldade com a sensação de cheiro durante o tratamento do câncer de laringe, no entanto, na maioria dos casos, essa condição será transitória.

O que vai mudar na minha vida depois da cirurgia?
Há uma grande diversidade de modalidades de cirurgia no tratamento do câncer de laringe, o que envolve desde a retirada de pequenas lesões por dentro da boca, nos casos iniciais, até mesmo a retirada de toda a laringe nos casos mais avançados. Portanto, as alterações na qualidade de vida são variáveis. Entretanto, é possível ter uma vida normal ou bastante próxima disso após o tratamento.

Rouquidão pode ser câncer de laringe?
Sim. Todo paciente com rouquidão persistente por mais de três semanas deve procurar um médico e, em caso de dúvida, um cirurgião de cabeça e pescoço, em especial aqueles que fumam e abusam do álcool.

Mídia

Ver mais

Palavra do Presidente

Fernando Walder

Prezados colegas. Estamos diante de uma das maiores crises já vivenciadas por este país. Enfrentamos um turbilhão de dúvidas econômicas e políticas que, ameaçam a estabilidade alcançada ao longo de anos. Tais incertezas trouxeram de volta o fantasma da inflação e desemprego.

Saiba mais